sábado, 27 de maio de 2017

Manual da Maga e Min

E aí, povo do bem. Tudo certinho com vocês? 

Vamos de resenha hoje? 


Título: Manual da Maga e Min 
Páginas: 190
SKOOB Sinopse: Maga Patalójika e Madame Min ensinam seus segredos de bruxa! Fac-simile da edição original de 1973, o manual traz informações e curiosidades sobre mitos e lendas do Brasil e do mundo, apresenta a origem de superstições e determinadas crenças, como a simbologia das cores e dos números, e conta a trajetória de personalidades ligadas à magia e ao ilusionismo, como o mágico Houdini. E isso sem falar nas histórias divertidíssimas com Maga & Min e nos truques de mágica que o manual ensina a fazer!


Minha opinião: Não sei se já comentei com vocês, mas quando eu era mais nova meu sonho era ser uma bruxa. Fazia simpatias, plantava cebolas, ia para debaixo da mesa, enfiava facas em árvores, escrevia nomes no pé... É, eu era meio estranha hahhaha. 

E eu era completamente viciada em livros de astrologias e livros de simpatias e pequenos feitiços. Sim, eu queria ser bruxa, mas era medrosa demais para ler um livro mais sério. 

Daí um dia desses aí, eu estava na banca e vi esse manual. Como eu acho que reviver o passado é sempre bom, resolvi adquirir. Mas claro, adquiri na intenção de que encontrasse meus velhos e simples truques. Mas não, o livro não é nada disso. 



O Manual da Maga e Min é um livro que conta um pouco sobre a história da magia e sobre alguns seres fantásticos. Temos ainda alguns casos dessas duas malvadas, temos os amados sobrinhos do Pato Donald e o quaquilionário Tio Patinhas. 

Esse livro tem um quê de nostalgia, então acredito que possa agradar bastante àqueles que cresceram lendo os quadrinhos dos patos mais doidos do pedaço. Particularmente, eu senti falta do Peninha. Esse manual é na verdade uma reprodução fiel do manual lançado em 1973, então algumas coisas podem parecer bem estranhas, mas nada que atrapalhe demais a leitura. Algumas páginas são bem complicadas mesmo, porque as folhas são escuras e mal conseguimos ver o que está escrito. Mas são poucas páginas assim. 



Ao mesmo tempo, acho que pode agradar novos leitores. A galera novinha, que quer ler algo diferente, conhecer alguns truques de mágicas e um pouco sobre o universo fantástico. Sempre dá para aprender coisa nova. Eu, por exemplo, não sabia que originalmente as sereias eram metade humano e metade pássaro. Você sabia? Além dessa curiosidade há muitas outras ao longo dessas páginas. 

Paguei bem carinho nessa edição, mas ela é um achado. As páginas são bem grossas, há muitas ilustrações, a capa é dura e muito bonita e o conteúdo é bem interessante. 

Não é algo que vá agradar a todos, mas se você é nostálgico ou gosta de curiosidades sobre o mundo da magia, essa pode ser uma leitura muito bacana. Então fica aí a dica. 



E eu vou me despedindo, pois tenho algumas unhas de dragão no fogo. Mas e vocês, já leram? Leriam? Me contem! 

E se você curtiu a postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!!!! 


quinta-feira, 25 de maio de 2017

3 meses de Kinlde Unlimited por apenas R$ 1,99

E aí, meu povo amado. Tudo certinho com vocês? 

Aqui está tudo ótimooooooo. 

Cês viram essa promoção louca da Amazon?


Isso mesmo! A assinatura de três meses do Kindle Unlimited por apenas R$ 1,99. É pra glorificar de pé. 

Para participar da promoção, ACESSE

E lembrando que nesse programa há muitos livros bacanas, incluindo todos os meus. 


Por isso, não perca tempo. Corra! A promoção vai até o dia 31 de maio. Ainda dá tempo de aproveitar. 

E se você gostou dessa promoção, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!

terça-feira, 23 de maio de 2017

Ficar com amigo não estraga amizade

Contém palavrão!!!!! 





Sempre ouvi aquele papo furado de que ficar com amigo não rola porque isso estraga a amizade e tudo o mais. Nunca concordei com isso. A verdade é que um beijo ou mesmo sexo, não acaba com nada. Ao contrário disso, pode até fortalecer uma amizade. Não que eu esteja dizendo que você deva sair com os seus amigos. A não ser que queira, daí eu acho que tem mais é que sair mesmo. O que estou dizendo, é que ficar com um amigo não atrapalha amizade alguma. 
O que estraga uma amizade é a mentira, a cobrança, a traição, a falta de caráter. Quando todos os envolvidos tem o mesmo interesse  e estão cientes de tudo o que está acontecendo, não há com o que se preocupar. 
O problema é quando os interesses não são os mesmos ou quando um dos lados quer tirar proveito da situação (um proveito diferente do combinado) ou quando um dos lados acha que precisa ser um cretino para que o outro não se apaixone. Como se a gente não se apaixonasse pelos cretinos. Quem dera fosse simples assim ahaha. 
Já fiquei com vários amigos e posso dizer com plena convicção, que isso nunca acabou com amizade nenhuma. Nenhuma amizade acabou por causa de um beijo ou uma transa (mesmo que tenha sido horrível). Mas já perdi amigos para a mentira, para a omissão, para a traição. Já tive amigos que se afastaram por causa dos sentimentos ou pela falta deles. 
É bem verdade que nem todas as amizades permaneceram. Sempre tem aquele carinha que acha que se você deu pra ele, você é puta. E pra esse tipo, só tenho algo a dizer: Quem perde é você. Desse tipo eu quero distância mesmo, porque se a nossa amizade baseia-se no fato da mulher ter que manter as pernas fechadas, nossa amizade não ia longe mesmo. 
Mas fico feliz em dizer que esse tipo a gente descobre rapidinho. 
Mas a tal da amizade colorida funciona muito bem, desde que todo mundo seja maduro o suficiente para entender esse tipo de relação.
Não é sexo sem compromisso (embora eu não acredite nessa expressão e em outra postagem falarei mais a respeito). Não é beijar por beijar. Não é como ficar com alguém em uma festa, onde você nem conhece a pessoa que está ali. 
Esse tipo de relação (e não estou falando em relação amorosa) exige um cuidado e atenção. Porra, véi, é seu amigo que está ali. Você não se preocupa com ele? Por que é que você acha que só porque vocês ficaram, a pessoa não importa mais? Não, você não precisa mandar flores ( e sinceramente acho que nem deve), mas você deve a ela o cuidado e o carinho que tem com seus amigos. Porque é isso que ela é, não é? 
Não sei, mas as pessoas tem um negócio muito estranho. Ficou, transou, acha que precisa fingir que não conhece mais. Que é isso, gente? Cês são mesmo bem infantis. Cês acham mesmo que a mina vai se apaixonar por causa de um beijinho? Por causa de uma metidinha? Ah vá!!! Cês tem a piroca encantada agora. 
Amizade colorida funciona muito bem sim, desde que todo mundo seja sincero e entenda que um beijo ou uma trepada é só um beijo e uma trepada. E que amizade de verdade nunca acabou ou vai acabar por causa disso. 


segunda-feira, 22 de maio de 2017

Manual Amoroso da Neurótica - Luanna Luna

E aí, meu povo fiel. Tudo bem com vocês? 

Quem aqui está a fim de dar muitas risadas? Então bora conhecer esse livro. 

Título: Manual Amoroso da Neurótica 
Autora: Luanna Luna 
Páginas: 187
SKOOB
Sinopse: Queridinha, responda à pergunta abaixo. Se marcar ao menos uma alternativa, o Manual Amoroso da Neurótica foi feito para você.
- Como se sente em relação a sua última ou atual experiência afetiva?
a) histérica
b) irada
c) deprimida
d) angustiada
P.S.: Meninos, o livro não é para vocês. Larguem, agora, o meu manualzinho!!!


Minha opinião: Que atire a primeira pedra quem nunca ficou sem entender os homens. Que atire um tijolo aquela que nunca achou que entendeu, mas que na verdade entendeu tudo errado. 

É, minhas queridas, a verdade é que se os homens acham que nós somos confusas é porque eles nunca se relacionaram com um. Porque cá entre nós, o bichinho mais difícil de entender é o homem. 

Eles dizem "Eu ligo", mas não ligam. Não porque perdem o número, mas porque falaram que ligariam apenas por educação. Se é só pra ser educado, podiam dizer simplesmente "Muito obrigado", não é mesmo? Assim não fariam a gente ficar dias esperando uma maldita ligação. 

Eles dizem "Vou no banheiro e já volto", mas demoram tanto para voltar (quando voltam) que a gente já marcou até consulta com um gastro, afinal com saúde do trato intestinal não se brinca. 

Eles dizem "Quero te mostrar meu apartamento", mas quando você chega lá é apenas uma peça com um colchão e uma privada. 

É, migas. Não tá fácil ser hétero nessa vida. 

Foi pensando nisso, que a neurótica de plantão, Luanna Luna criou esse manual. São 150 frases ditas por homens e seus reais significados e todas as enrascadas que essas frases tão inocentes e fofas escondem. Temos desde o inocente "Esqueci!" até o tão temido "Eu vou gozar"

Como eu disse, não está fácil ser hétero. 


Mas se você, assim como eu, ama os homens e não abre mão de um exemplar dessa espécie, tenho certeza de que esse manual vai te ajudar, nem que seja apenas para dar algumas gargalhadas. 


Eu vou indo lá porque preciso reler algumas coisinhas hahahhah.

Alguém já conhecia o livro? Já leram? Leriam? Me contem! 


E se você gostou da postagem, compartilhe com os amigos. 


Um beijão e até a próxima!


OBS: Geralmente esse tipo de material contém conteúdo extremamente machista, mas fico feliz em dizer que não é o caso desse manual. Na verdade as ideias de Luanna são muito feministas e isso só me faz querer indicar ainda mais esse livro para todas as mulheres, mesmo para aquelas que não possuem nenhum problema com relacionamentos amorosos.  

domingo, 21 de maio de 2017

Proporções

"- Pela milionésima vez, eu NÃO estou grávida. Só estou com uma vontade de comer sagu, só isso – falei para as meninas do trabalho. Não tenho certeza se acreditaram, mas poxa vida. Uma pessoa não pode mais ter vontade de comer alguma coisa? E se fosse um homem com vontade? Iam dizer que estava grávido? Sei lá, do nada eu tive a visão de uma panela cheia daquelas bolinhas transparentes. Hum, que delícia. Aquele sagu de vinho que a minha mãe fazia. Ah, que vontade. Mas não posso mais pedir para ela fazer um sagu para mim. Com esse sentimento meio nostálgico, corri ao Super. Vinho, bolinhas de sagu. Casa. 
- Hum, o sagu ficou realmente bom - elogiou o marido. 
E eu birrenta, resmunguei: - Mas não como o da minha mãe. Eu queria aquele sagu dela. Ele era tão bom.
– Tão bom por quê? O que ele tinha de tão especial? – perguntou o marido. 
- Eu não sei - respondi. - Ele só era. Ou será que não tanto assim? Não muito, eu acho. Minha mãe não era boa cozinheira. Ela não sabia nem fazer pipoca. Pensando bem, acho que o sagu dela era horrível.
Mas porque eu me lembro dele com um gosto tão bom? Ele hoje me parece muito melhor. Eu acho. 
"Porque isso é passado. E o passado parece melhor do que era no presente." Falou meu inconsciente. E continuou. “Você era criança. Ele parecia bom. Você acha que ele era o melhor. Mas não era tanto. São as proporções. Tudo parecia maior, melhor e mais gostoso.” Será que é isso? Acho que sim. É, pensando bem, tudo parecia maior. Os animais, as casas. As pessoas. Tudo parecia mais bonito. Dia desses encontrei com um amigo da família que não via há anos. Levei um susto. Será que ele diminuiu? Ele era tão grande. Ou será que eu era tão pequena?
Será que é assim com tudo? Todas as grandes lembranças que eu tenho não passam de exageros criados pela minha mente? Será que todos os meus grandes amores, não passaram de casinhos? E todos os grandes amigos não passaram de colegas? Não gosto de pensar nessa hipótese. Era tudo grande. Amigos, amores, vontades. E hoje, nada mais parece grande. “É porque você é grande agora.” Mas então é isso? Virar adulto é ver tudo pequeno? Tudo agora parece menor, não tão bom e nem tão maravilhoso. Tudo parece normal. Nada mais parece tão grandioso. Nem os planos, nem as vitórias, nem as perdas. Nada mais parece perigoso.
Eu não sei, eu disse para meu inconsciente.
Mas enquanto isso, - passa esse sagu para cá, - eu disse ao maridão. 
Hum, não é que as bolinhas roxas ficaram boas mesmo?" Gislaine Oliveira



Olá, meu povo amado. Tudo bem com vocês? 

Esse é um texto bastante antigo meu, mas o facebook me lembrou dele e eu resolvi compartilhar com vocês. O texto é de 2014 de quando eu era colunista em um jornal aqui da cidade. 

Acho que ele ainda reflete muito bem o que sinto às vezes. 

Um beijão e até a próxima!

Max e os felinos - Moacyr Scliar

E aí, povo amado. Tudo certinho? 

Sei que estou trazendo poucas resenhas aqui para o blog, mas é que meu ritmo de leitura está meeeeeeega lento, então me perdoem hhahahahha 

Mas aqui estou com uma resenha novinha. 

Título: Max e os Felinos
Autor: Moacyr Scliar
Páginas: 148
Compre na AMAZON
Sinopse: O alemão Max, um garoto sensível, cresceu sob a severidade de seu pai que sempre lhe incutiu medos e inseguranças. Envolve-se, mais tarde com Frida, esposa de um militar Nazista, o que faz que tenha que abandonar o país. Em meio a viagem de barco, é obrigado, graças a um naufrágio, a dividir o pequeno espaço de um barco com um imenso Jaguar, um felino que sempre lhe aterrorizou. 



Minha opinião: Apesar desse ser um livro bastante conhecido e o autor gaúcho, só fui conhecer quando comecei a pesquisar o que fazer em caso de plágio que autor nunca procurou por isso? Neuróticos é pouco hahah 

Se você não sabe do que estou falando, dê uma pesquisadinha no google sobre esse livro e As Aventuras de PI. Mas resumidamente, há toda uma polêmica envolvendo os dois livros, onde aparentemente o autor de Pi, plagiou Moacyr. Eu ainda não li o livro de Yahn, então não posso argumentar, mas muita gente que leu disse que é plágio descarado e tem até entrevista do autor meio que confessando o que fez. Triste :( 

Bem, vamos lá. 

Em Max e Os Felinos nós acompanhamos a trajetória de Max. Max era um menino franzino que vivia na Alemanha Nazista. Um dia, devido há alguns acontecimentos, ele precisa fugir. Então ele pega um navio com destino ao Brasil. Mas como toda desgraça pra azarado é pouca, o navio afunda. Mesmo assim, Max sobrevive, pois consegue um barco. O problema é que pouco depois que ele está acomodado no seu barco, achando que seu único inimigo será o tempo até alguém o socorrer, um jaguar, também sobrevivente do naufrágio aparece. E agora, para poder sobreviver, Max terá que enfrentar o tempo, o sol, a fome e mais do que isso, esse perigoso felino. 

Max e os Felinos é um livro curtinho, uma leitura bastante rápida. O que não significa que seja um livro com um conteúdo pequeno. A história de Max é bastante simples, até onde é possível ter uma vida simples sobrevivendo há um naufrágio e um jaguar. Mas ela vai além disso. É possível criar várias interpretações para a história do nosso personagem. 

Seria essa viagem apenas uma metáfora? O Jaguar a representação dos nossos medos? Poderia, não poderia? 

No início da edição que eu li há comentários falando sobre a obra. Confesso que isso me desagradou bastante porque é destrinchada a obra toda e na minha opinião, ninguém deve dizer o que você deve entender com uma leitura. Pra mim, interpretação de uma história é uma coisa muito pessoal e cada um precisa ter a sua. Mas a culpa é minha também, porque eu não precisava ter lido esses comentários. Poderia ter lido apenas depois então se queria tanto ler. Por isso, se você ainda não leu o livro, evite ler as explicações dadas para essa história, pelo menos antes de ler o livro. 

Se disser que amei essa história será uma grande mentira. Gostei dele, isso é verdade. Mas pequenos detalhes muito me incomodaram. O papel das mulheres na história é realmente incômodo. Há momentos em que eu gostaria de obter mais detalhes. Mas ainda assim é uma obra que eu acho importante conhecer. E mais do que isso, acho importante estudar sobre a polêmica envolvendo As Aventuras de PI. Em breve eu pretendo ler esse livro e então venho aqui contar para vocês as minhas conclusões. 



E por hoje é só isso, povo. Alguém já leu? Me contem o que acharam! 

E se você gostou da postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!!!!! 

sábado, 20 de maio de 2017

Nem tudo acaba

"Nem tudo acaba... 
Há coisas que nem começam. 
Tipo eu e você...
A gente fica querendo deixar tudo claro, encontrar explicações para tudo, mas às vezes, a falta de uma resposta já é uma resposta. 
E tudo bem!"

Gislaine Oliveira é uma escritora que aprendeu com o tempo que nem tudo precisa de uma resposta. Nem tudo precisa ser dito. E nem sempre há o que se dizer.