segunda-feira, 26 de junho de 2017

A Droga da Amizade - Pedro Bandeira

E aí, meu povo amado. Tudo bem com vocês? 

Hoje vim aqui para trazer a resenha de um livro que queria muito ler desde que ele foi lançado, mas que só consegui ler nesses últimos dias. 

Trata-se do livro A Droga da Amizade do autor Pedro Bandeira. 

Mas chega de enrolação e vamos conhecer esse livro. 


Título: A Droga da Amizade
Autor: Pedro Bandeira
Páginas: 168
Compre na AMAZON
SKOOB Sinopse: Como Miguel começou a Turma dos Karas? Como conheceu e por que escolheu Magrí, Crânio, Calu, Chumbinho e a americana Peggy para formar esta turma tão especial? E por que Andrade era um policial diferente, melhor do que qualquer outro? Como cada um deles demonstrou ao líder dos Karas que era uma pessoa especial, tanto pela coragem, quanto pela honestidade, pelo caráter e pelo desejo de mudar o mundo para melhor? E o que terá acontecido com eles depois de todas as aventuras que estes sete heróis viveram? Em que se terão transformado todos eles depois de adultos?


Minha opinião: Eu não tenho certeza do que esperava encontrar em A Droga da Amizade, mas certamente não era o que encontrei. E isso está muito longe de ser um elogio. 

Em A Droga da Amizade, nós acompanhamos Miguel (o líder da turma dos Karas) no preparo para um importante discurso. Enquanto ele se prepara, ele observa um bilhete e uma foto que ele recebeu. A foto apresenta os integrantes dos Karas quando eles ainda eram adolescentes. 

Obviamente, a imagem desperta muitas lembranças do chefe do grupo e conforme ele vai se lembrando de tudo, nós vamos lhe acompanhando. 

Descobrimos como a turma surgiu, porque o nome Karas, como os códigos secretos foram criados e relembramos um pouquinho das aventuras que os jovens enfrentaram. 

Ao contrário do que era esperado, não senti nostalgia ao ler o livro. São os mesmos personagens ali, mas ao mesmo tempo, não são eles. Justo eles, que se orgulhavam de serem o oposto dos caretas, se tornaram um tanto caretões. 

Além disso, para quem já leu os livros dos Karas, se torna um pouco repetitivo rever algumas cenas. E isso é um pouco complicado, pois vejam só: A Droga da Amizade é um livro para os fãs dos Karas, pois apenas nós podemos entender a que tudo se refere. Ou seja, se você não acompanhou A Droga da Obediência e afins, esse livro não é para você. Mas se você curtiu as aventuras, A Droga da Amizade se torna cansativo. Então quem poderia curtir esse livro? R$

Ok, talvez eu esteja parecendo um pouco cruel. Mas essa é apenas a minha opinião e você tem todo o direito de discordar. Mesmo assim, tentem entender que essa é também a opinião de uma fã que se sentiu bastante frustrada. 

Outro ponto irritante do livro é o final feliz dado a todos os personagens. Galerêeeeeeee, em uma turma de amigos, a probabilidade de todos - TODOS - acabarem bem - MUITO BEM - é bastante rara. Um vira astro e ganhador de trocentos oscars, o melhor ator do mundo, outro vira presidente, outro cientista famoso, ..... Qual a chance disso acontecer? Tudo bem que os livros dos Karas sempre foram um tanto nonsense, mas esse viajou legal. Ok, vamos também lembrar que eles estudavam em uma das melhores escolas do país, todos tinham dinheiro e afins. Mas ainda assim, o futuro deles não convence. 

Com tantos pontos negativos, eu não serei boba em dizer que indico a leitura do livro. Como uma fã, eu aconselho que você guarde apenas as boas lembranças que você carrega dessa turma. Mas ao mesmo tempo, como blogueira que incentiva a leitura, eu devo dizer que se você tem vontade de ler, leia e aí tire suas próprias conclusões. 

E então por hoje é isso. Alguém aqui já leu esse livro? Concordam? Discordam? Me contem! 

E se você curtiu a postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima! 

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Cuidado! É muito fácil entrar em um relacionamento abusivo.

Ninguém te avisa como é fácil acabar dentro de um relacionamento abusivo. As pessoas fazem textos falando dos horrores vividos dentro de um e sobre como é difícil sair dele. Mas ninguém te alerta sobre como é fácil entrar. 
As pessoas contam tantas coisas sobre como é viver um relacionamento conturbado que você não consegue entender como é que elas foram parar lá. 
Mas com você não. Você tem certeza de que isso nunca aconteceria com você. Você é uma garota forte, decidida, independente. Não é como os outros: fraca. Mas nunca que você vai deixar alguém palpitar sobre suas roupas ou decidir sobre o seu jeito de falar. Mas nem em um milhão de anos que você vai deixar alguém te dar um empurrão. 
É... Só que ninguém te conta como é fácil cair na armadilha de um abusador. 
Você conhece um cara. E ele é engraçado, inteligente, bom de cama, te dá alguns orgasmos e faz você se sentir a pessoa mais especial do mundo. Inevitavelmente você se apaixona. Mas é você quem está no comando da situação, não é? Ele é que está perdidamente apaixonado, não você. 
E então acontece o 1º deslize. É uma coisinha pequena, mas você briga que é para mostrar que você não aceita essas situações. Então ele pede desculpas. Você aceita, o cara está arrependido. É você que está no comando, afinal ele pediu desculpas, não foi? Sinto em dizer, mas você entrou numa furada. E o ciclo do relacionamento abusivo começou. Eu falei que era fácil cair nessa armadilha. 
Tempos depois, ele erra de novo. Dessa vez, um erro maior do que o primeiro. Ele pede desculpas. Você aceita. Você gosta tanto dele e ele deve sentir o mesmo que você. Não vale a pena colocar no lixo uma história linda por causa de um errinho bobo. 
Não muito depois, um novo erro. Pior. Ele pede desculpas. Você aceita. Afinal você também erra. Errar é humano. 
Os erros continuam e ficam cada vez piores. Ele sempre pede desculpas. Você sempre aceita. A culpa também é sua. 
Até que ele erra e você pede desculpas. A culpa foi toda sua. Você exagerou, você que pediu, provocou, entendeu errado, não fez o que era para fazer. Foi você. 
Como é que uma garota inteligente, bonita, independente foi cair nessa furada? Como é que ninguém te conta que era tão fácil assim? 
Isso foi acontecer justo com você. Você que sempre achou que quem caia nessa eram as pessoas inseguras, carentes. Você tinha certeza de que isso nunca aconteceria com você. Você era uma garota com amor próprio, confiante. É! Nenhum texto que você leu te alertou que era tão fácil entrar em um relacionamento abusivo que isso poderia acontecer com qualquer um, inclusive com você. 
O pior é que lembrando agora, os sinais estavam todos ali. O tempo todo. Mas você ignorou. Não porque você fosse burra, carente, com baixa auto estima. Mas porque eram detalhes tão pequenos. Além disso, não dá pra confiar sempre na intuição, não é mesmo? Tipo, houve aquela vez em que você ficou com medo de viajar de avião, pois tinha o pressentimento de que algo ruim aconteceria, mas você foi mesmo assim e a viagem foi uma maravilha. Depois disso, você começou a chamar sua intuição de paranoia. 
Você estranhou quando ele perguntou tantas vezes o que você estava fazendo. Mas você disse a si mesma que estava sendo paranoica e que ele só queria saber se não estava te atrapalhando. 
Você se incomodou quando ele perguntou quem era o carinha para quem você deu oi na rua. Nossa, você é mesmo paranoica. Ele estava apenas curioso. 
E foi assim. Fácil desse jeito que você caiu nessa furada. Você ignorou todos os sinais porque você nunca acreditou que isso poderia cair com você. 
Logo com você. Uma mulher dona de si, empoderada. 
Você até percebe que tem alguma coisa esquisita, mas deve ser tudo neura. Ele não é como os outros caras. Ele nunca te bateu. E nunca fez nada do que você leu naqueles textos sobre relacionamentos abusivos. É isso! Você está surtando. Dando uma de "feminazi". Exagerando. 
Talvez se as pessoas te contassem como é fácil chegar nessa situação, você tomaria mais cuidado. Acreditaria mais na sua intuição e fugiria no primeiro sinal. 
Mas ninguém te contou e você caiu. Não porque é burra, tola ou dependente. Você não é nada disso. E sabe como eu sei disso? Porque eu não sou nada disso. E já estive nessa fria. Saí, é verdade. Mas cai direitinho na armadilha. 
No 1º momento, eu pensei "ainda bem que eu fugi no 1º deslize", mas parando para pensar, não foi bem assim que aconteceu. Na verdade eu deixei passar despercebidos os primeiros sinais. E passei para outras fases do relacionamento abusivo sem perceber. 
"Você está exagerando." "A culpa foi sua também." "Você é louca"
E mesmo que metade de mim saiba que isso não é verdade, a outra metade cisma em dizer que a culpa foi minha. E isso não significa que eu seja fraca. Só significa que às vezes, a gente gosta tanto de uma pessoa que prefere acreditar que ela sente o mesmo pela gente. E que às vezes, os bons momentos parecem tão bons, que a gente não quer perder. Mas em algumas situações, é preciso perder para poder ganhar. 
Ninguém me contou que era tão fácil entrar em um relacionamento abusivo. Mas eu estou te contando. E eu espero que você sempre lembre disso quando achar que está sendo paranoica. 
Acredite em mim, você NÃO ESTÁ! 

sábado, 17 de junho de 2017

Pelo menos eu te conheci


"Hoje eu fiquei triste.
Fiquei triste por essa história que não aconteceu, por esse amor que não floresceu.
Pensei nas palavras que não foram ditas, nos beijos que não foram dados, nos carinhos não trocados e nas promessas não feitas.
Chorei por esse amor que não teve a chance de acontecer, que morreu antes mesmo de nascer. 
Quando​ eu lembrei de todos os passeios que a gente não fez senti os olhos arderem.
Fiquei triste ao constatar que eu nunca te verei dormindo, assim como também nunca vou acordar ao seu lado.
Fiquei triste ao ver minhas fotos e perceber que não há nenhuma foto nossa.
Não há sequer uma prova de que a gente tenha existido.
E eu chorei. Chorei porque faltou muito pouco, chorei porque foi por um triz.
Mas depois eu sorri. 
Sorri porque com tantas voltas e pessoas nesse mundo, pelo menos EU TE CONHECI." 

Gislaine Oliveira é uma escritora que acredita que toda história de amor é bonita e deve ser contada. Até mesmo aquela que aconteceu apenas na sua cabeça ;) 

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Esse é o nosso jeito de "dar certo"

Talvez o meu amor seja grande demais para caber nesse acordo social. 


Talvez o nosso "dar certo" seja ter uma conversa legal, ou talvez um encontro bacana, ou quem sabe uma boa noite de sexo. 
Pode ser que a gente não namore, que eu nunca conheça os seus pais e nunca te apresente os meus amigos. 
É possível que nunca façamos planos além do próximo encontro. Provavelmente nunca decidiremos os nomes dos nossos filhos e nunca iremos planejar o casamento dos sonhos. 
Pode ser que nossos encontros sejam sempre às escondidas e que ao final sempre reste a dúvida "Nos veremos de novo?" 
Talvez você nunca me mande flores ou me dê bombons. E eu nunca cozinhe meu prato especial para você. Talvez a gente nunca faça uma viagem além daquelas que fazemos na cama. 
É possível que eu nunca te conte os meus medos e você nunca detalhe os seus planos. Pode ser que a gente nunca vá ao cinema ou saia para um passeio com outros casais. 
Talvez a gente nunca passe disso: De encontros escondidos, de mensagens fora de hora e de beijos com data marcada. 
Talvez a gente não precise assumir nada, nem trocar o status da rede social, nem oficializar assinando alguns papéis. 
Mas talvez esse seja o nosso jeito de "dar certo". 

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Lançamento da antologia "Isso também é preconceito!"


Olá, meu povo amado. Tudo bem com vocês? 

Hoje estou aqui para dizer que esse lindo projeto já está disponível na Amazon também. Isso mesmo!!!!! 


Desde o dia 6 desse mês, quem prefere a versão digital já pode adquirir o seu e-book. 
Mas lembrando que essa antologia também está disponível em formato físico. 

Você pode adquirir a versão digital na AMAZON


E o livro físico através do Causos e Prosas

E por hoje é isso, meu povo. 

Espero que todos vocês tenham a oportunidade de conferir esse projeto, pois posso dizer com toda a certeza do mundo, que ele está maravilhoso. 

Se você gostou da postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!!!! 

sábado, 3 de junho de 2017

Tag Uma série

E aí, meu povo maravilhoso. Tudo bem com vocês? 

Vamos falar de séries hoje? 

Fui indicada para responder essa tag pelas meninas do blog Le Café Rouge

A Tag foi inventada pela Leticia do blog Bella Página. As respostas das meninas que me indicaram vocês encontram AQUI

Mas e então, vamos lá? 



Uma série que tira risos

Eu sou uma pessoa muito chata quando envolve comédia. Então não é todo o humor que me faz rir. E às vezes, mesmo quando acho alguma coisa muito engraçada, eu não dou risada. Isso porque eu gosto de um humor mais inteligente, com algumas tiradas bacanas. Então às vezes uma piada é ótima, mas não é uma coisa que me faça morrer de rir. Por isso escolher a série para colocar aqui não foi fácil. Mas acho que Todo Mundo Odeia o Chris é uma boa opção. Mas poderia também citar As Visões da Raven, Um Maluco no Pedaço, Boa Sorte Charlie. Escolhi essa porque ela ainda reflete sobre muito do que acontece hoje em dia, em relação ao racismo. 

Uma série de arrepios

Medrosa deveria ser meu nome do meio. Morro de medo de histórias (nas telas) que sejam de terror ou horror. Então não tenho muitas opções aqui. Eu diria Supernatural, mas como ela estará abaixo, aqui deixo Stranger Things. É uma série que por enquanto tem apenas uma temporada, mas tem uma proposta bem legal e pode sim dar alguns arrepios na galera mais medrosa, tipo eu. 

Uma série de choros e emoções 

DDD é uma série de comédia. Uma comédia romântica na verdade. Pensei até colocá-la no tópico abaixo, mas pensei, pensei e achei que Drop também combina com aqui. Ela mexe muito com os sentimentos da gente, fazendo a gente ficar confuso e às vezes até chorar um pouquinho, caso você seja tão sensível quanto eu.  

Uma série amigável 

Ah.... Deu até vontade de voltar a ver essa série. Icarly é uma série tão fofinha, tão gostosa de se ver. E o foco dela é a amizade entre os personagens, então não tem como não amar. Com certeza é a série mais amigável que eu vi. E já estou com saudades. 

A favorita 

Podem falar o que quiserem, podem reclamar o quanto quiserem, mas não tem, pra mim Supernatural é Supernatural. Ok, eu concordo que a série se perdeu, que às vezes viaja demais, que é muita piração. Mas gente? Má gente? Má ge? Não adianta, amo demais e tô nem aí ahhahha. Essa série tem um lugar todo especial no meu coração e eu ainda pretendo rever muitas vezes nessa vida. E termino com o velho e muito bem colocado comentário do meu irmão "Não sei se olhamos Supernatural porque é muito bom ou se porque o Dean é muito gostoso" 



Eu sei, algumas das minhas respostas foram um tanto fora do convencionais. Mas eu tenho gostos peculiares, vocês não entenderiam hahahhah 

Eu não vou indicar ninguém em especial, mas quem quiser, faça, porque é super bacana, além de ser uma forma de indicar várias séries ao mesmo tempo. 

Mas me contem, já assistiram a alguma dessas? Concordam comigo? Me contem! 

E se você gostou da postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!