domingo, 23 de abril de 2017

Por que eu escrevo para adolescentes?

E aí, meu povo. Tudo bem com vocês? 

Aqui está tudo ótimo. 

Quem me conhece sabe que eu realmente acredito que a literatura pode salvar o mundo. Quem me conhece, sabe que eu estou tentando mudar o mundo. Quem me acompanha, seja aqui no blog, no facebook ou na vida real, sabe de todas as minhas lutas pra desconstruir tudo o que a gente cresceu acreditando. 


Dedicatória do meu livro A Vadia


Por tudo isso, eu participo de várias atividades, principalmente em escolas. Me proponho a conversar com os alunos, a falar sobre literatura, a realizar ações diversas. 

E uma pergunta que sempre me fazem é "Por que você escreve para adolescentes?" 

Falando de forma um pouco mais superficial, eu escrevo para essa garotada porque me identifico muito com eles, ainda que eu já tenha vários aninhos a mais hahah. E porque como eu gosto de escrever com um pouco de comédia e uma pitadinha de nonsense, esse público é perfeito pra isso. 

Mas muito além disso, eu escrevo pra essa turminha porque eu realmente acredito neles. A sociedade às vezes me deixa enjoada. Sinto raiva, nojo, tristeza. Mas eu acredito nos adolescentes. Eu acredito nessa turma com menos de 25 anos (nem tão adolescentes, mas enfim). Não perco mais tempo tentando convencer a galera adulta que eles não sabem de tudo. Prefiro ocupar meu tempo com a garotada que ainda está se formando, que está de cabeça aberta, que aceita o novo com mais facilidade. 

De maneira nenhuma quero dizer que todas as pessoas mais velhas me deixem enjoada. Não é isso. Conheço muita gente mais velha com cabeça muito aberta. Mas falo daquelas pessoas que simplesmente não querem ouvir nada que é diferente. Pra essas eu só sorrio e aceno. 

Mas voltando a falar da galerinha. 

Toda vez que vou para um bate-papo vou com a consciência de que vou assustar. Já vou sabendo que vou causar um certo estranhamento. Que não vai ser fácil a galera ouvir algo totalmente diferente do que ouviram a vida toda. 

Toda vez que eu chego em uma turma, eu consigo ver os olhos dos alunos se revirando, as caretas que eles fazem quando começam a ouvir as minhas palavras. Mas toda vez, tem um segundo em que eu consigo despertar a atenção de verdade. E nesse momento, os pescoços se espicham para a frente e eu juro que consigo perceber os ouvidos se abrindo. E então eu começo a ver algumas cabeças balançando positivamente, mostrando que "pensando por esse lado, acho que é isso mesmo." E é por isso, por esse momento, que eu escrevo para adolescentes. Escrevo na espera daquele segundo onde os leitores sentirão um estalo. 

"Pensando por esse lado..."




Essas são as fotos das conversas que tive com os alunos da minha antiga escola na semana que passou. A primeira foto era da turma do terceiro ano e a segunda, da turma do segundo ano. Várias sementinhas plantadas. 


E olhem só a lembrança que o facebook me trouxe :) 




E é por isso, meu povo, que eu trabalho. Um dia a gente ainda vai mudar o mundo :) 


Um beijão e até a próxima! 

sábado, 22 de abril de 2017

Você nunca se apaixonou por mim

"Você nunca se apaixonou por mim. 
Você se apaixonou pela possibilidade de estar apaixonado. 
Se apaixonou pela certeza de ter alguém que te amava, 
mas nunca foi por mim que você se apaixonou. 
Como seria possível você se apaixonar, quando você nem mesmo me conhecia? 
Quando você não sabia nada sobre mim? 
Você nunca soube dos meus planos para o futuro, nunca soube nada do meu passado. 
Nunca te contei que eu tenho medo do escuro e sempre faço um lanche de madrugada. 
Você nunca ficou sabendo das minhas conquistas, das minhas vitórias e das minhas lutas para chegar onde cheguei. 
Eu nunca te contei o que eu queria da vida, ou que eu preferia pastel à pizza e que frituras sempre foram meu ponto fraco. 
Você nunca soube quem eram meus melhores amigos... 
Ou o nome dos meus irmãos. 
Eu nunca te contei nada sobre mim... 
E você nunca perguntou. 
Saber sobre mim, não era importante pra você.
Você não queria saber... 
Afinal, você nunca se apaixonou por mim."




Gislaine Oliveira

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Você sempre finge ser quem não é para impressionar os outros?

" - Você não é daqueles que fica falando durante o filme todo é?
- Não. Odeio gente assim.
- Ih. Então acho que você sentou no lugar errado. Eu passo o filme inteiro conversando.
Bola fora.
Dou uma risada um pouco histérica demais e tento contornar a situação. 
- Eu também. Só disse isso porque achava que você não gostava disso.
- E você sempre finge ser quem não é para impressionar os outros?
Bola fora novamente.
- É só que... - Tentei me explicar.
- Tudo bem. Infelizmente isso é comum. Só que é chato sabe. É chato conviver com pessoas que você não sabe como são de verdade. Pessoas que passam o tempo inteiro querendo impressionar os outros. Então é sempre difícil descobrir se o que as pessoas estão mostrando é o que elas são de verdade ou não." Improvável


A história ainda nem está pronta, então essa não é a capa oficial. Mas gosto da ideia dela :) 


E aí, meu povo. Tudo certinho com vocês? 

Hoje está sendo um dia um pouco estranho. Não ruim, mas meio chocante acho hahahah. Sabe quando você descobre alguma coisa que não imaginava? Pois é! 

Então quis compartilhar com vocês um trechinho de uma história na qual estou trabalhando e que acho que combina perfeitamente com o dia de hoje. 

Não seria muito melhor se as pessoas apenas agissem como são de verdade? Sem tentar manipular os outros? Também acho! 

E vou me despedindo. Um beijão e até a próxima! 


segunda-feira, 17 de abril de 2017

Velozes e Furiosos 8



Olá, meu povo. Tudo bem com vocês? 

Não é surpresa pra vocês que eu sou viciada nesta franquia. Então assim que o filme foi anunciado, eu fiquei muito empolgada. Mas ao mesmo tempo, tive receio. Depois da morte do Paul, era difícil imaginar o caminho que a série seguiria. 

Confesso que meu personagem favorito não era o Bryan, personagem do ator, mas sim Dom, personagem do lindo, tesão, bonito e gostosão Vin Diesel. Mas como os dois eram muito amigos e importantes para o enredo, fiquei com um certo receio. 

Porém, veio Velozes e Furiosos 7 que encantou a platéia. Final incrível, a história poderia acabar aí. Não que eu quisesse, mas enfim... 

Então eis que surge o oitavo filme da franquia. A emoção misturava-se ao medo da decepção. Quão tola eu fui. Quão tola. Eu não precisava ter receio algum. Mais uma vez, os diretores e atores mostraram a que vieram. 


Depois que Brian e Mia se aposentaram, e o resto da equipe foi exonerado, Dom e Letty estão em lua de mel e levam uma vida pacata e completamente normal. Mas a adrenalina do passado acaba voltando com tudo quando uma mulher misteriosa faz com que Dom retorne ao mundo do crime e da velocidade.

                 

Velozes e Furiosos 8 é um filme longo (são mais de 2h de filme), mas que não deixa o espectador desgrudar os olhos da tela. São mais de 2h de pura ação, corrida, humor no melhor estilo VeF e drama. Sim, meu povo. Eu sorri, gritei, ri, fiquei aflita e chorei. Nooooooossa, como eu chorei. Mas eu sou um caso a parte e choro mais que bebê com fome. Embora sejamos sinceros, meu namorado chorou e minha amiga também hahahah. 


Então se você veio aqui só para saber se o filme vale a pena, eu grito: Vale sim! E imploro: Vá assistir! Se você é fã, você com certeza vai se encantar e se você não é, o filme provavelmente fará você querer assistir aos anteriores. 

Então se você ainda não viu o filme, eu me despeço e peço para que você volte aqui depois de assistir a essa belezura. Porque a partir de agora, só teremos spoilers. Spoilers? Spoilers não, isso é pouco. A partir das próximas linhas eu contarei todos os detalhes do filme, falando sobre tudo, TUDOOOOO, então por favor, depois não adianta ficar com raivinha. 


SPOILERS! 

Saia daqui! 

Suma! 

Eu avisei! 


Agora se você já viu o filme e veio aqui para saber o que eu achei e ver se nossas percepções foram parecidas, vamos lá. 


Gente do céu, como é que alguém poderia acreditar que o Dom, o meu Dom, trairia a família? Quem conhece esse homem sabe que a família é a coisa mais importante para ele. Seus amigos, a sua equipe é a sua família. Então confesso que deu uma certa raivinha daqueles amigos da onça. A única que não duvidou um segundo sequer dele foi a Letty. E os deuses bem sabem o quanto eu detestava essa mulher. Mas depois que ela ficou do lado dele mesmo com tudo o que aconteceu, não há como não admirá-la. Bate aqui, colega. 



E como assim o Dom tem um filho? Genteeeeee!!!! Para tudo!!!! Quase morri! Meu coração chegou a parar por alguns segundos. Sério! Quase morri chorando. Mesmo! Pior que um bebê. Como aguentar o coração partido ao ver a carinha do meu amor vendo seu filho pela primeira vez? Através de um vidro, ainda por cima. Não aguentei mesmo. Chorei e chorei. Chorei também pela Letty, pois os deuses bem sabem que eu consigo me colocar no lugar dela. 

Morri de raiva da moça loira lá. E fiquei morrendo de vontade da Letty pegá-la e dar uns bons cascudos nela. Uma pena que ela saiu imune, mas se essa é a brecha que precisamos para um próximo filme, então ok, eu sou capaz de aceitar isso. 

E a amarração do filme, gente? Tudo muito bem ligadinho. Vocês viram isso? Tudo amarradinho. Tudo muito bem bolado. A corrida no início do filme, a mulher idosa no bar, o homem baleado... Quem pensaria nisso tudo? Bem, confesso que eu, Sherlock Holmes, pensei kkkkk 

E a interação dos personagens? Roman e Tej são uns fofos hahahha. Foi lindo de ver a cena dos dois. Um apoiando o outro. Não tive como não lembrar de Bryan e Dom. 

Falando em Bryan, e a homenagem a ele que ainda continuou neste filme? Genteeee, não tem como não amar. 

Terminei o filme chorando muito, mas imensamente feliz. E com a sensação de que foram R$ 50,00 muito bem pagos. E que eu pagaria de novo e de novo, só para ter a mesma sensação. A sala de cinema estava cheia e ao final, todo mundo aplaudiu. Foi lindo! Sei o quanto pode parecer bizarro a platéia aplaudir um filme, mas isso só mostra o quanto essa família mexe com a gente. 



E nem preciso comentar o quão lindo, Vin está nesse filme. Deuses do céu, fazer um homem desses deveria ser pecado. É muita maravilha num corpo só. Jesus apaga a luz, hahahha E eu vi em 3D. Em 3D. Essa maravilha de céu pulando em cima de mim. Ó pai!!!!!


E então é isso por hoje, meu povo. Se você curtiu a postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!!!! 

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Poderia dar certo?


Será que as coisas poderiam dar certo entre a gente? 
Você sempre com essa camisa bem passada e esse nó perfeito na gravata e eu com meus cadarços desamarrados e um moletom amarrotado... 
Poderia dar certo? 
Você com esse sonho de construir uma família e eu apenas querendo andar sem rumo... 
Uma combinação diferente!
Eu com essa mania de puxar briga por tudo e você com essa irritante paciência. 
Será que as coisas dariam certo quando a minha definição de jantar fora era apenas comer uma empadinha na esquina? 
Eu seria capaz de aguentar essa sua mania de separar as camisas por cor? Ou sua cisma em dobrar as cuecas? (quem é que dobra cuecas?) 
Poderia dar certo essa mistura de alguém que só quer deixar a vida rolar com alguém que quer dominá-la? 
Muito mais que o dinheiro ou idade, eram esses nossos costumes, desejos e formas de ver a vida que complicavam tudo. 
Dentro de um quarto, numa cama, no carro ou no chão, era sempre fácil se entender. 
Mas era o dia a dia que complicava tudo.
Você querendo ir a jantares e eu, em bares. 
Você sempre tão formal, educado e concentrado. E eu fazendo barraco porque a moça do caixa não tinha me dado meus três centavos...
Será que teria dado certo? 
Hoje quando você passou apressado por mim, com aquele terno cinza e aquela pasta preta, provavelmente indo para alguma reunião,eu olhei para o meu skate e sorri. 
É, nunca teria dado certo. 
Então eu subi no meu skate, dei impulso e segui para o outro lado. 
Você era como aquele sapato de salto na vitrine.
Lindo, incrível, desejável... 
Mas que não combinava nem um pouco comigo. 






 Gislaine Oliveira é escritora, blogueira, romântica incurável e adora usar as palavras para tentar entender o amor.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Os homens que só amavam outros homens

Sabe quando um cara te pergunta se você é solteira e você diz que não e ele se afasta? Então mana, ele não tá te respeitando. Ele está apenas respeitando o brother dele. "Mas ele nem conhece meu namorado", não importa. Homem sempre acha que é o outro homem que merece o respeito, homem sempre prefere homem e pra ele todo homem é brother. 
Ele também não está respeitando o seu relacionamento porque tenho certeza de que se você dissesse que tem uma namorada ele viria com o suposto argumento de que você não conheceu um homem de verdade e que falta uma rola na sua vida, no caso, a rola dele. 
O homem deveria respeitar a mulher simplesmente pelo fato dela dizer que não está afim e não porque tem um outro cara. É por isso que o argumento "a favor" das mulheres que diz: 'respeita a mulher do outro' é tão problemático. Não tem que respeitar porque é a mulher do outro, tem que respeitar porque é uma pessoa. Aliás, não somos as mulheres de ninguém, ok? Somos mulheres de nós mesmas, donas de nós mesmas. Podemos ser esposas, mães, irmãs, namoradas de caras, mas mulheres, somos apenas de nós mesmas.
A própria pergunta "você é solteira?" é problemática por si só. Porque se um cara está te perguntando isso, dificilmente é porque ele quer te dar uma vaga de emprego. Ele provavelmente só quer te pegar. Como se o seu 'sim, sou solteira' desse direito a ele para dar em cima de você. Como se pelo fato de você estar solteira, você devesse estar disponível. Sim, minas, eles acham isso. Eles realmente acreditam que se estamos solteiras, estamos disponíveis para eles. Não é bizarro isso? 
Aí a gente vai mais longe ainda e lembra que o fato de você ter um relacionamento não significa que você não possa ter outros. Ah é, ainda não falei do amor livre né? Fica para a próxima, mas guardem essa informação e reflitam sobre ela. 
Mas o cara não quer saber se você está afim. Ele quer apenas saber se você já tem dono ou se ele pode marcar território. 
Estou exagerando? Então vamos ilustrar um pouquinho. Vou falar de forma bem didática pra ficar mais fácil de entender. 
Você está dançando sozinha na pista e um cara chega em você. Você diz que não está a fim. Ele insiste. Você sai de perto. Ele vai atrás de você. Você continua dizendo não e ele continua tentando encostar em você, afinal quem você é pra dizer a ele o que ele pode ou não fazer com o seu corpo? Mas nesse momento, seu namorado que tinha ido ao banheiro chega e vê a situação. Então você finalmente diz: "Aquele é meu namorado." O macho que até então estava fazendo a dança do acasalamento para você, pede desculpas pelo inconveniente. Mas, tcharararam, ele pede desculpas para o seu namorado. Isso mesmo! Ele não pede desculpas a você, ele pede desculpas para o seu namorado. Vocês conseguem entender o quão bizarro isso é? Mais uma vez, ele não está te respeitando. Ele está respeitando o brother. Se fosse sua namorada chegando, ele ia dizer que dava conta das duas. 
Por isso é tão problemático usar a desculpa do "tenho namorado" para não ficar com alguém, seja essa desculpa verdade ou mentira. Eu sei, mulheres, eu sei. Às vezes não tem jeito mesmo e pra fugir de macho escroto a gente inventa até que não fala a língua dele. Mas entendam o quanto isso é incapacitante. Os caras deveriam investir ou não de acordo com o que você quer. 
Já ouvi de namorados "Ele pediu teu número? Você devia ter dito que poderia dar o meu." Não, meu amor. Se eu não quiser dar meu número eu não darei e ponto final. Não preciso de "desculpas" para isso. E se eu quiser passar um número, eu vou dar o meu, não o seu. O boy tava dando em cima de mim e não de você. Você que arranje um gatinho pra você. 
Pior ainda é que te fazem pensar que você é culpada por não estar disponível. Já parou pra pensar no tanto de vez que disse ou ouviu das suas amigas "Desculpa, mas eu sou comprometida." Oi? Porque é que você deveria pedir desculpas? Seu relacionamento não vai bem? Não está tudo maravilhoso? Então porque é que você deveria se desculpar por estar feliz? O boy lá que encontre alguém que o queira.  
Por isso não acredito no suposto respeito do cara que se afasta quando a mina diz que tem namorado/marido. Só acredito no respeito do cara que perguntou: "E aí, vamo fecha?", ouviu um não e se afastou. Se não é isso, ele só tá respeitando o brother. E pra mim se ele prefere tanto assim um homem, devia arranjar um pra ele. 


PS: O título do texto é para ser provocativo mesmo




Gislaine Oliveira

E então eu te deixei partir

E então eu te deixei partir.
Não que você precisasse da minha permissão, afinal, você já havia partido há muito tempo.
Mas é que finalmente eu te deixei partir do meu coração.
Te deixei ir, sem te puxar de volta.
O engraçado é que eu nem percebia que estava tentando te segurar.
Eu sempre achei que era você que queria ficar ali, que me queria ao seu lado.
Era você o garoto bobo apaixonado não era? Eu não. Eu era a garota forte, indiferente, que nem ligava para o que viesse a acontecer. Era assim que nossos amigos nos definiam...
E eles não podiam estar mais errados.
Fiquei te segurando dentro do meu coração por tanto tempo...
Te prendi porque acreditei que fosse o amor da sua vida,
que você me amava e amaria para sempre.
Acreditei tão cegamente nessa verdade, que nem me dei conta quando ela deixou de ser absoluta.
Passei tanto tempo te prendendo e dessa forma me algemei ao que acreditava.
Por tanto tempo deixei de fazer coisas em nome de um amor que não existia há tempo demais.
E veio a verdade como um soco no estômago. Doeu. Mas também foi um alívio.
Só quando te deixei partir, é que percebi eu estava presa também. E então me libertei.
Ser o amor da vida de alguém é muita responsabilidade, sabia?
E agora eu sei que estou livre dessa pressão.
E tudo bem.
Por que eu aprendi que não preciso ser o amor da sua vida. Nem da sua, nem de ninguém mais. Só da minha.
É isso. Sou o amor da minha própria vida.
E então, quando eu te deixei livre é que eu também pude partir.



Eu não posso ser a mulher da sua vida porque já sou a mulher da minha.